O coração bate. O fígado apanha…vamos cuidar dele também?

O coração bate. O fígado apanha…vamos cuidar dele também?

O acúmulo de gordura no fígado pode provocar doenças cardiovasculares, especialmente aterosclerose e arritmia cardíaca

Há poucos dias, o pesquisador Eric Stahl publicou um artigo intitulado “Nonalcoholic Fatty Liver Disease and the Heart”, em português “Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica e o Coração”,

em um periódico científico de alto impacto na literatura médica, o Journal of The American College of Cardiology

Fui agraciado com este artigo por um colega médico de privilegiada inteligência e raciocínio e, acredito que, como uma forma de reconhecimento ao que eu digo há anos: “O coração tem o glamour, mas o fígado é a usina do corpo humano!”

Na verdade, o que o artigo mencionado fez foi uma excelente revisão da literatura médica analisando as relações, muito claras, entre a doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) e as doenças cardiovasculares,

estas últimas conhecidas há anos, entre as que mais matam no mundo.

Doença hepática gordurosa não alcoólica

A DHGNA nada mais é do que o acúmulo de gordura no fígado que acaba formando um círculo evolutivo – com a forma conhecida como Esteato hepatite não alcoólica (EHNA) – que além da gordura possui inflamação.

Esta pode evoluir para fibrose, mais tardiamente para cirrose e com maior chance de desenvolver hepatocarcinoma (um tipo de câncer primário do fígado). Atualmente, estima-se que a prevalência da DHGNA seja de 25% a 30% da população mundial.

Apenas para ilustrar, a cirrose como consequência da EHNA, já é a segunda causa de inclusão em fila de espera para transplante de fígado nos Estados Unidos, ficando apenas atrás da cirrose causada pelo vírus da hepatite C.

Todavia, com a disponibilidade recente de medicamentos que curam a hepatite C, a EHNA se tornará, futuramente, a doença mais frequente a indicar transplante de fígado no mundo.

Por Ben-Hur Ferraz Neto | Veja